Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Tabela da análise comparativa

 

Joaquim Massena

TCN


Aprovação


 Aprovado em 1998 pela Câmara.


Aprovada em Dezembro de 2007 num concurso lançado pelo Porto Vivo.

 

 

Objectivos

 

* Manter, o Património e as suas estruturas compositivas e de acessibilidades;

* Reequacionar, os espaços perdidos;

* Acrescentar, as infra-estruturas;

* Evitar, com a construção, que os Comerciantes e os seus Utilizadores perdessem o hábito de o utilizar;

 

* Mantém, o Mercado como símbolo do Comercio Tradicional;

 

* Reabilitação, recuperação e readequação da estrutura de betão armado.

 

 

 

 

 

* Implementar as necessárias infra-estruturas técnicas, mecânicas e funcionais;

 

* Utilizar os conceitos arquitectónicos internacionalmente reconhecidos para a reabilitação do Património;

 

* Integrar todos os comerciantes existentes no mercado e reconhece-los como parceiros em todo o processo;

 

* Possibilitar a divulgação dos conceitos de reabilitação e exercitar as regras democráticas e o reforço do estado de Direito;

 

* Respeito pela memória e interacção urbana;

 

* Requalificar, revitalizar, reabilitar;

 

* Promover coesão social: estratos sociais e etários;

 

* Auto-sustentabilidade económica sem recurso a capitais púbicas, municipais ou do estado;

 

* Mobilidade – Cidade do Peão.

 

 

 

 

 

 

Funcionamento do mercado

 

 

* Mantém, as características funcionais de Praça Aberta com abrigos pontuais em cada espaço;

 

* Mantém, a galeria existente para o sector de restauração alimentar, apelativa e representativa da gastronomia da Região com esplanada coberta e do meio restante a galeria daria apoio a um sector de comércio livre, não alimentar, onde nas paredes envolventes seriam colocados os painéis alegóricos;

 

* Acrescenta a galeria intermédia (por razões estruturais e de estabilização das paredes periféricas), para espaços comerciais, não alimentares, representativos da Região;

 

* Mantém, o Terrado (Praça) com a mesma composição funcional, recuperando todo o edificado, para a venda de produtos alimentares sazonais na zona central e na lateral para produtos alimentares perecíveis com exigência de rede de frio;

 

* Acrescenta, as infra-estruturas que serão realizadas de novo, tanto para as lojas do interior como para as do exterior do Mercado

Recupera, no exterior as caixilharias serão colocadas com igual desenho e execução às originais, com as devidas correcções e adaptações às exigências funcionais do Comércio (iguais à aplicada na Relojoaria Mendonça, a qual cumpriu o Projecto de Reabilitação);

 

* Retira, todos os equipamentos das fachadas;
Acrescenta, elevadores e escadas rolantes para uma cómoda mobilidade dos Visitantes e Comerciantes;

 

* Acrescenta, na galeria um painel pictórico alegórico às actividades; - agrícola, vinícola com especial referencia ao vinho do Porto, navegação e mercantilismo e à terciarização de uma forma geral;

 

* Acrescenta, a placa de identificação das respectivas actividades e de referência à loja;

 

* Acrescenta, em cave e subave um parque de estacionamento para o visitantes e residentes e armazéns com câmara de frio para armazenamento dos produtos alimentares.

 

 

 

 

 

Demoraria dois anos.

 

 

 

 

 

* Novas lojas, habitação e restauração no antigo mercado tradicional;

 

* Manter a traça original e partilhar a área comercial tradicional com novas lojas, cerda de metade das quais de cultura, lazer e restauração;

 

* A actividade do comércio tradicional ficará numa escala mais reduzida;

 

* Toda a estruturação existente do espaço interior desaparece - incluíndo as bancas, as estruturas de apoio, os casinhotos e a bela escadaria norte. Fica basicamente apenas fachada;

 

* Deixa de haver os pátios actuais, e o passadiço central também desaparece: o piso da rua Fernandes Tomás (o actual piso em galeria) irá ocupar toda a área do mercado, onde se vão instalar os restaurantes (do lado sul) e o mercado (do lado norte);

 

* O piso da rua Formosa desaparece e divide-se em dois: que vão ser ocupados com um supermercado (lado norte) e com as novas "lojas-âncora" (lado sul);

 

* Vai haver uma cobertura totalmente nova do lado dos restaurantes e do lado do mercado;

 

* Em baixo, dois pisos de estacionamento. Nas fachadas, vai haver sobretudo habitação;

 

 Área total = 25.730 m2

Lojas = 11.395 m2 (44% da área total)

Supermercado = 3.125 m2 (12%)

Habitação= 2.500 m2 (10%)

Restaurantes = 1.450 m2 (6% da área total)

 

* Assim, enquanto lojas, restaurantes e supermercado vão ocupar 62% da área total + circulações e armazéns que fará cerca de 70 % da área total, o mercado vai ocupar 3% da área total.

 

 

 

 

 

Demorará dois anos


Publicado por piriloni às 22:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Piriloni!!

Pesquisar neste blog

 

Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
27
29
30
31


Posts recentes

Video de apresentação do ...

Tabela da análise compara...

10/05/08

Cordão Humano!

Pela voz de um estrangeir...

No Bolhão, a luta faz-se ...

TCN Portugal substituiu J...

TCN volta a desafiar Joaq...

Relatório sobre o Bolhão ...

Movimento defende referen...

Visitas!

Contador de acessos
Contador de acessos

Links úteis!

www.esec-padrao-legua.rcts.pt manifestobolhao.blogspot.com portovivosru.pt/ cidadescriativas.blogs.sapo.pt/ www.ua.pt/csjp/cidadescriativas/ www.cm-porto.pt

Arquivos

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

O nosso grupo!!

Somos quatro jovens estudantes pertencentes á escola secundária do Padrão da Légua. O grupo formou-se dentro das aulas de Área de Projecto e rapidamente tanto o tema como o nome do grupo surgiram espontaneamente. O nome do nosso grupo "Piriloni" surgiu de uma brincadeira em que juntamos iniciais dos membros do grupo. Criamos um nome sonante, marcante e divertido.

Subscrever feeds